Entrevista de emprego: Como não contratar (ou ser) um infame

Infame: adj. m. e f. Indigno; irrelevante; desprezível; que provoca desprezo ou repugnância por ser de péssima qualidade.

Todo selecionador que carrega nas costas o trabalho de recrutar profissionais para uma companhia tem uma grande preocupação: decidir pela pessoa certa. Pois o comportamento do contratado refletirá a imagem do seu trabalho. Por causa disso toda a busca de profissionais e preparo da entrevista é feita de maneira antecipada e com muito cuidado.

Muitas companhias não avaliam apenas o conhecimento técnico do candidato à vaga, mas principalmente seu perfil pessoal. O perfil é constituído principalmente da sua postura e comportamento. Muitos candidatos são reprovados devido a detalhes imprescindíveis.

Entrevistas de emprego: como não ser infame

Erros mais grotescos e comuns em entrevistas de emprego

Chegar atrasado

Quando não se pesquisa o trajeto, tempo de chegada ao local, endereço e distância, corre-se o risco de chegar atrasado e afobado, com ar de preocupação e afoito ao responder as perguntas iniciais… Além da sede, de tomar um copão de água por chegar correndo, com o cabelo desajeitado, maquiagem já nas últimas condições de tanto que passou a mão na testa, nariz, roeu as unhas de ansiedade, etc. Geralmente uma sala de entrevista é rigorosamente separada na agenda da empresa inteira, isto é, para te atender exatamente na hora combinada. Um descuido seu pode impactar em todo o seu processo e até em outras pessoas. É muito mais elegante ligar com antecedência para avisar do atraso, bem como dar uma satisfação sobre o que houve e onde está. Ou mesmo tentar remarcar a entrevista.

Mascar Chiclete

É um erro óbvio, porém muitos se esquecem de jogar fora. Vale muito para ficar com bom hálito, mas o costume de mascar chicletes pode te levar a esquecer de jogar fora ao chegar. O candidato não é avaliado apenas quando está à frente do entrevistador; pode ser também observado pelo porteiro, recepcionista, segurança e todos ao redor. Ninguém gostaria de ver uma pessoa parecendo um bicho, com a boca aberta passando o chiclete de um lado ao outro. Poupe-nos…

Atender o celular no momento da entrevista

Hoje a comunicação é constante com aplicativos sociais e de mensagens. É inevitável que no percurso você esteja com o celular em mãos. Não adianta colocar para vibrar ou no modo silencioso, se no momento da entrevista o alarme toca, fazendo a pessoa lembrar-se de compromissos, lembretes e outras notificações. Desligue-se geral. O seu compromisso agora é com o selecionador.

Falar mal da última empresa

Se a pessoa fala mal da última empresa, chefe, setor entre outras coisas, invariavelmente perderá pontos diante do entrevistador. Problemas todos temos, inclusive as empresas. Mas você deve guardar todo o seu rancor, tristeza e chateação no bolso, por mais que tenha razão. Um ambiente organizacional também é reflexo do trabalho do RH. Será que vão te contratar sabendo que depois você pode expor os defeitos daquela organização externamente?

Não marque suas entrevistas de emprego com assuntos negativos. Você pode parecer com ar de intrigante e mal-agradecido mesmo não sendo assim.

Mentir

Já vi casos de recrutadores perguntarem se o candidato sabe falar inglês e na hora do teste não saber formular sequer uma frase. Não perca seu tempo, nem o do entrevistador, contando falsos atributos profissionais. Não deveria ser necessário orientar um profissional a não faltar com a verdade…

Ir com roupa inadequada

Não é porque a empresa tem um uniforme vermelho que você deve ir assim no dia da entrevista de emprego. Seja coerente. Não vá com roupas apertadas, decotes, pernas à mostra, calça social curta (para os homens) e meia branca. Às vezes chega de tênis por ter feito um percurso cansativo, e pede para a recepcionista guardá-los e manter o segredinho básico. Não dá! Já imaginou que seu entrevistador pode não lhe deixar a sós de novo com a comparsa? Aí você acaba esquecendo os calçados lá, e a recepcionista te “queima” no setor de recursos humanos em busca do telefone do esquecido…

Falar alto demais

Saber que você é um bom comunicador todos podem. Mas o entrevistador não é obrigado a perder a audição por causa disso. Então fale mais baixo em salas fechadas. Caso a entrevista seja coletiva ou em sala maior, aí já é outra história.

Não saber os seus pontos positivos e negativos

O entrevistador não quer saber exatamente qual seu ponto positivo… Ele quer saber como você vai se sobressair a falar de um ponto negativo seu a melhorar. Quer ver sua sinceridade. Não aponte o perfeccionismo como defeito: se for tão perfeccionista assim, a ponto de negar tempo para outras coisas que também precisam de sua atenção, já é uma doença… E essa resposta já se tornou conhecida.

Não saber sobre a vaga e a empresa

Isso faz com que o entrevistador repasse todo um resumo da companhia. Isso porque você não se deu o trabalho de pesquisar, embora faça perguntas a respeito. Isso mostrará que teve menos interesse pela vaga do que outros candidatos. Se atente, acorde e faça o básico pelo menos para saber o nome da empresa.

Não ter perspectiva de nada

Saiba porque chegou naquela empresa, você não precisa parecer um deslocado: “o que eu vim fazer aqui?”. Saiba pra que veio e aonde quer chegar sendo o grande profissional que é.

Bom, esta foi uma pequena amostra dos erros mais grotescos cometidos em entrevistas de emprego. Saiba ser agradável ao chegar à empresa. Seja simpático, porém discreto. Cortez e educado, em vez de arrogante e autossuficiente. Quando te oferecerem café, aceite. Prove-o e elogie a copeira, ganhe as pessoas para si ao seu redor. Dessa maneira você perceberá que a sua presença faz a diferença por onde passa.

O que recrutadores buscam em um profissional de TI?

Em meio a tanta tecnologia e inovação no decorrer dos anos, o mercado de trabalho para o profissional de TI continua se expandido. O número de contratações tem se mantido estável em meio à crise, mas a quantidade de exigências a esses profissionais também.

O que os recrutadores buscam em um profissional de TI

Segue abaixo algumas das características mais buscadas pelos recrutadores quando se trata de tecnologia:

Fiel com dados confidenciais: Devido ao aumento da tecnologia, aumentam-se também as ameaças, como o risco de perda ou vazamento de dados confidenciais. As empresas têm dado cada vez mais espaço ao armazenado nuvem (cloud storage), ou seja, fora do ambiente físico. Desta forma, a preocupação com monitoramento, concentração e atenção deste profissional à segurança dos dados tem sido uma das características marcantes.

Mantém-se atualizado com a tecnologia: Cada vez mais frequentemente, o mercado é impactado por uma nova tecnologia ou nova aplicação de algo já existente. Em mercados pejotizados é muito comum os profissionais serem alocados em trabalhos temporários, conhecidos como “projetos”, seja de meses ou anos.

Os projetos curtos têm seu lado bom: a oportunidade de adquirir e desenvolver um conhecimento novo. A agilidade nesse sentido tende a gerar grandes vantagens para o profissional.

Pensamentos criativos: Não adianta ter aptidões apenas operacionais, se o que falta mesmo são ideias inovadoras. É supervalorizado o profissional que tem dicas para dar, é criativo e, principalmente, consegue propor aplicações coerentes de algo novo no cotidiano da empresa. Por coerente, entende-se: gera algum benefício prático. O perfil tecnológico muitos têm e se aperfeiçoam sempre, porém o inovador, que sabe vender suas ideias, tem consigo um diferencial entre os colegas. Este brilho muitos não conseguem nem procuram desenvolver. Ou seja, o lado mais buscado nas empresas.

Bom relacionamento interpessoal: Conhecidas como soft skills, estão cada vez mais em alta. Aquele que além de ser inteligente em suas funções sabe lidar com pessoas e tomar posturas que tornam o ambiente o melhor possível.

Saber resolver problemas complexos: aquele que se especializou, tem o domínio da tecnologia e sabe expressar com clareza aos demais a solução de algum problema, se diferencia dos demais. A capacidade de persuasão ao vender sua ideia pra solucionar problemas se destaca por sua visão criativa e tecnológica.

Resiliência: O profissional de tecnologia antes mesmo de atuar na área em que deseja, pode passar por algumas trajetórias de insucesso em sua carreira. Quem tem resiliência sabe aproveitar bem essas oportunidades para adquirir conhecimento e prática, coisa bastante interessante para o mercado tecnológico. As empresas não buscam pessoas engessadas, robôs, porém aqueles dinâmicos que ampliam pró-ativamente sua visão.

Como se destacar em cada área

Digital: Por mais que não seja tão comunicativo, seu perfil técnico operacional é essencial para fluir atividades concentradas em resultados e entregas, principalmente quando se trata de desenvolvimento ou afins. Mesmo atuando de forma isolada, são muito valorizados pela experiência prática e linguagem técnica.

Projetos: O perfil comportamental deste profissional exige uma linguagem corporal (entende-se: ser expressivo, ter postura, saber gesticular, etc.) mais aflorada. O fator da sua linguagem para negócios e o mercado torna-se importante para engajar pessoas nas atividades, relacionar bem com gestores de outros projetos e atingir uma boa comunicação a toda equipe.

Infraestrutura: O perfil do profissional que trabalha com infraestrutura de um projeto exige dele comprometimento. Por exemplo, em algumas empresas é comum que este profissional chegue ao pico de seu serviço durante uma madrugada! Seja por questão de teste de sistemas ou operação normal. Sua característica costuma ser a de passar confiança caso algo dê errado e precise de uma solução emergencial.

Inteligência emocional em profissionais de TI

Imagine-se concorrendo a uma vaga em uma organização na qual quer muito entrar e fazer parte daquela equipe. Uma empresa reconhecida pelo mercado de trabalho entre outros fatores de destaque. Aí você depara com uma forte seleção de candidatos, com aplicação de testes, exames, concorrências, dinâmicas, atividades, demonstração de projetos, testes de idiomas, apresentações… Enfim… Ufa… Quanta coisa hein…

Mas, depois de longas etapas para chegar lá, você percebe que há uma pequena barreira naquele novo local de trabalho. Imagine-se fazendo o maior esforço para falar algo óbvio, mas ninguém ouve, e quando ouve não entende. Aí você percebe que não se enquadra no perfil emocional daquele ambiente. – Como assim não me enquadro? O que de fato acontece comigo ou com esse lugar? O que devo fazer então?

Inteligência Emocional em profissionais de TI

O perfil emocional de um ambiente de trabalho depende do comportamento profissional que aquela área exige. Por mais que você tenha mostrado toda capacidade de atuar em sua função, comprovando sua habilidade técnica, entre outros fatores de aprovação, seu perfil em um ambiente de trabalho depende unicamente de você!!! Sim, isso mesmo, você deve ser o responsável por se adequar àquele local!

Vou explicar melhor: Há pessoas que são tímidas, acanhadas, vergonhosas, falam pouco, sentem-se um peixe fora d’água em ambientes onde há muita conversa, bate papo, brincadeiras, piadas, descontração e animações, etc. Outras tem boa influência e equilíbrio emocional (seja natural ou adquirido durante o tempo), e isso a ajuda a se envolver tranquilamente. Essas são características de pessoas que possuem um quociente emocional elevado, e facilmente se adequam em momentos oportunos sem se tornar inconveniente ou sem graça com os demais, e claro, não deixando de fazer suas obrigações. Aqueles que carecem de tal equilíbrio emocional sentem dificuldades de adaptação e não possuem a mesma facilidade em se adequar a novos tipos de ambiente.

Muitos líderes se destacam profissionalmente por terem QI (quociente de inteligência) mediano e um QE (quociente emocional) elevado. Isso não quer dizer que você, que tem um alto QI, não se torne um líder, porém há características exigidas pela liderança.

Ninguém nasce tímido, mas situações que vivemos podem nos fazer menos comunicativos, e isso é natural do ser humano. Mas ser ou não tímido é apenas uma decisão. Se essa característica te prejudica, elimine-a com novas atitudes, seguindo as dicas abaixo. Mas antes, vamos entender um pouco as características mais marcantes dos profissionais de carreiras técnicas, inclusive dos melhores, no tocante à inteligência emocional:

  • Autodidata, ou seja, procura alternativas próprias de aprendizagem;
  • Alto QI e médio QE. Isto é, focado, concentrado, mas não tão bom em interações sociais;
  • Dificuldade de se expressar e de fortalecer relacionamentos, sendo às vezes introvertido;
  • Usa raciocínio lógico (o que leva a posturas rígidas) mesmo em situações que pedem flexibilidade, jogo de cintura, dinamismo, etc.
  • Dificuldade em cultivar a visão sistêmica: Alguns nem imaginam que existe um “todo” mais abrangente do que aquilo que está em sua frente. Já outros, são bastante curiosos e não conseguem trabalhar com visão limitada;
  • Muita objetividade e pouca sensibilidade.
  • Tem um pensamento mais rápido que o normal, e que sua comunicação acompanha. Isso às vezes gera irritação e/ou não entendimento nos interlocutores;
  • Irritabilidade e resistência a mudanças.

Com esse perfil de profissional, normalmente empregado em setores onde há pouca comunicação muita concentração, é natural que seja menos dinâmico. Mas não quer dizer que seja um péssimo profissional, de maneira nenhuma. Sua expertise pode se destacar até mesmo por causa dessas características.

Mas onde ele poderá ser mais expressivo? Em quais situações? Um profissional de TI, por exemplo, pode se tornar comunicativo dentro de sua própria equipe, apresentando e buscando ideias, melhorias, soluções, construindo a habilidade de entender e fazer-se entendido pelos colegas, de maneira que compartilhem ideias e informações do dia a dia, mantendo o bom costume de conversar e se expressar mais.

A comunicação abre portas, traz oportunidades e ensina a colocar suas ideias e pensamentos de forma que outros lhe ouçam. Infelizmente, a melhor maneira de interiorizar essa habilidade não é lendo nenhuma documentação ou manual objetivo, mas sim praticando. Então, as dicas mais importantes para um talento da área técnica são: Ter paciência com pessoas diferentes, esforçar-se para formular cada vez melhor as frases, praticar ouvir e tentar entender até quando o interlocutor “viajar”, tentar compreender os colegas como se estivesse na pele deles. 😉

Dicas de currículo para Tecnologia da Informação

Só o fato de estar inserido na área de tecnologia da informação é um alento para o profissional. Segundo pesquisa da Catho ao final do ano passado – ou seja, em plena crise – as vagas nesse setor aumentaram 44%! Atendendo a pedidos, resolvemos trazer dicas de currículo e para entrevistas, segundo uma especialista em RH.

Conversamos com Meury Hermano, MBA em gestão de pessoas. Confira:

Dicas de currículo para profissionais de tecnologia da informação

Dicas de currículo

Contrato PJ: Para começar, diga suas principais recomendações para não tomar o tempo do recrutador, e falar logo o que ele costuma procurar.

Meury: O primeiro ponto é fazer o currículo inteiro tomando o cuidado de deixar claro as suas atividades e experiências. É mais fácil ler quando elas estão em tópicos, começando das mais difíceis para as mais simples. Citar nomes de sistemas operacionais, equipamentos e ferramentas já servem para detalhar suas habilidades. Se possível, ao lado das siglas, descrever a função de cada ferramenta, sistema ou plataforma.

O LinkedIn suporta uma quantidade bem maior de informações e detalhes estruturados. Qual o nível de profundidade certo no currículo, e o que deve ser aprofundado só no LinkedIn? 

Para o currículo, o ideal é dar informações sobre suas experiências, com mais detalhes, mas sem perder a objetividade. Cite os idiomas que fala e habilidades com sistemas e ferramentas específicas.

Trabalhos sociais e voluntários e viagens internacionais chamarão atenção, mas não serão os itens principais do seu perfil.

No LinkedIn, há serviços que proporcionam o envio direto para vagas do seu perfil. É importante tomar cuidado com a foto e não conter erros de português, inglês, ou qualquer outro idioma. A quantidade e tipos de contatos em sua rede não farão de você o perfil adequado para uma vaga, por isso, foque apenas nas informações que o recrutador busca. Todos os campos do LinkedIn são importantes, porém, deve dar preferência às informações sobre experiências, pois em meio a tantos currículos o selecionador estará focado no que quer encontrar.

Tem algum problema, ao final ou no cabeçalho do CV, convidar o recrutador a ver o perfil para saber mais detalhes? Isso pega mal?

De maneira nenhuma. É muito importante colocar links de trabalhos feitos, blogs, sites entre outros, pois estes detalhes serão bem visados e será um diferencial.

Na área de TI, existem muitas certificações e qualificações. Como eu posso escrever (no CV) e falar (na entrevista) de todas as credenciais detidas sem parecer arrogante?

Talvez o recrutador não conheça todos os termos e siglas de certificações na área de TI, principalmente se não for um especialista. Então, ao mencioná-las deixe escrito por extenso. Exemplo: Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD).

Algumas vagas exigem habilidades humanas e interpessoais bem aguçadas (soft skills). Profissionais de exatas muitas vezes deixam a desejar nesse ponto. Como passar uma boa impressão nesse aspecto?

Mostrar uma boa escrita já é um grande começo para aparentar habilidades humana e interpessoal. Por isso, saber relatar bem as atividades e transparecer isso em sua entrevista poderá contribuir para chances de passos importantes na seleção e carreira.

Qual a melhor impressão de: 1) programador / codificador; 2) analista de sistemas; 3) web designer; 4) coordenador de projeto…

Um analista precisa ser capaz de conceber e relacionar várias ideias ao mesmo tempo, para ajudar o usuário e resolver seus problemas. Empolgação e boa argumentação fazem bem aqui. Já para um programador, o perfil não é tão bom, pois ele facilmente vai querer contestar e incrementar as instruções que recebe, desconhecendo o orçamento e realidade do cliente / projeto.

A melhor impressão que possa ter é ser transparente sobre suas habilidades e personalidade.