Pejotinha e Pejotão

Nas palavras do Ministro Paulo Guedes, enxergamos dois atores econômicos relevantes para a Reforma Tributária: “pejotinha” e “pejotão”.

Brincadeiras à parte, os neologismos do Ministro nos ajudam a enxergar os objetivos das mudanças atualmente em pauta. Vamos entender…

Pejotinha

Micro e pequenos empresários, normalmente enquadrados no Simples Nacional, cujos lucros operacionais servem de fonte de sustento.
Essa definição inclui também os profissionais assalariados que recebem como PJ (nós).

Pejotão

Grandes acionistas que vivem dos dividendos das empresas nas quais tem seu capital investido.

Pode-se notar que, sem ironia, a classe política parece ter feito uma leitura bem atual da sociedade, incluindo a nossa presença – dos pejotinhas.

Pejotões

Segundo dados da Receita Federal, apenas 20 mil CPF’s receberam R$ 3 bilhões em dividendos, sem precisar pagar nenhum imposto.

Segundo as leis atuais, lucros e dividendos de empresas são isentos de qualquer imposto, seja qual for o valor.

Pejotinhas

Isso é diferente dos profissionais PJ e pequenos empresários: que recebem parte do salário mensal no formato de dividendo, e mesmo assim precisam pagar encargos sobre seu pró-labore.

Reforma do Imposto de Renda mira quem?

Segundo declarações do Ministro Paulo Guedes, o objetivo da chamada Reforma do IR é tributar os “pejotões” afim de neutralizar uma distorção.

Tanto é que a nova tributação de lucros e dividendos não deverá aplicar-se a empresas enquadradas no Simples Nacional.

(Ao contrário do texto original apresentado pelo relator)

Eu, particularmente, não tenho nada contra pessoas super ricas. Se um dia me tornasse uma delas, isso não me deixaria nem um pouco insatisfeito…

Porém sou da opinião de que numa sociedade minimamente justa, os impostos deveriam ser lineares e proporcionais a todos.

Mas no Brasil, o que temos hoje é um cúmulo de Pareto: Uma massa de assalariados pagando 27,5% sobre o pão de cada dia, enquanto uma minoria abastada é isenta.

Concluindo, por mais que os empresários tenham a sua importância (inovação, progresso, desenvolvimento, etc.), esse cenário parece muito incoerente, e precisa de correção urgente.

Pejotinhas também na mira?

Ainda segundo declarações de Guedes, o exposto acima é o início de um plano de equilíbrio fiscal no Brasil.

Pois futuramente o Governo deverá “ir atrás dos pejotinhas”.

Aparentemente aqui o Ministro refere-se a micro empresários.

“Ninguém quer pegar ‘pejotinha’ hoje. A gente quer pegar o ‘pejotão’”, disse, justificando o porquê da isenção dos sócios de micro e pequenas empresas incluídas no Simples. De acordo com o ministro, “o maior pejotão de todos” é quem recebe lucros e dividendos e esse que o governo quer taxar, porque existem 20 mil CPFs que receberam R$ 3 bilhões em dividendos e não pagaram impostos. 

E, depois, o governo vai atrás do “pejotinha”, que, lá frente “vai ficar com vergonha” de ver que o funcionário dele que recebe R$ 2 mil por mês pagar Imposto de Renda, enquanto ele não paga.

Um cenário ideal seria todos – acionistas, empresários, assalariados CLT, PJ e autônomos – serem tributados sob as mesmas regras, com alíquotas lineares, progressivas e iguais.

Por mais distante que essa utopia esteja, parece já haver boa vontade política em flertar com ela.

O que achou?

Reforma Tributária e IR – 7 de setembro

Faz quase um mês que nada posto sobre a Reforma Tributária e o Imposto de Renda para profissionais PJ.

Escrevo as seguintes palavras no dia 7 de Setembro de 2021, por ironia do destino…

Geralmente, o maior risco de um projeto de lei é ser “desidratado” ao passar pela Câmara e Senado…

Isto é, perder parte dos efeitos desejados.

De fato houve alguns afrouxamentos e concessões para abrandar as críticas da oposição e sociedade.

Mas, para a nossa surpresa, vários deputados, senadores e associações tem defendido uma reforma mais ampla do que a proposta! 😲

Além da iniciativa do Ministério da Economia, voltaram à tona assuntos como a PEC 110 e PEC 45.

Ótimo que eles queiram adiantar. Nada como um ano de eleição.

As nossas mudanças no Imposto de Renda são um subconjunto do que se chama de Reforma Tributária, mas isoladamente são muito pouco para serem chamadas de “reforma”.

Elas sofreram alguns ajustes desde o meu último post, mas nada que afete os profissionais PJ.

Quem está no Simples Nacional permaneceria com lucros e dividendos isentos de IR, segundo o texto atual.

Semana passada ela foi aprovada na Câmara e seguiu para votação no Senado.

Ali, num clima normal, ela já concorria com com outras iniciativas e mais opositores.

Todavia, já parecia estar quase certa a sua aprovação.

Mas o nosso Independence Day local parece ter “fechado o tempo” em Brasília (ou seria na Av. Paulista?).

A ver…

Reforma Tributária e IR após 7 de Setembro.
O que achou?

Reforma Tributária: Relator fala com profissionais liberais e PJ’s

Há cerca de três semanas, publiquei este post explicando a proposta de Reforma Tributária no tocante aos profissionais liberais e PJ’s.

Como não poderia deixar de ser, surgiram incontáveis análises e críticas. Para conciliá-las, o deputado Celso Sabino (PSDB-PA) ficou responsável por dialogar com o governo, empresários, associações e outros entes da sociedade; e então estruturar um projeto de lei que atenda a todos.

Para quem não sabe, eis o trabalho de um relator.

Além de apresentar um relatório preliminar na última terça (13/07), com aperfeiçoamentos à Reforma, Sabino deu uma entrevista à InfoMoney, onde falou com os profissionais PJ sobre suas intenções.

Entrevista Deputado Celso Sabino à InfoMoney.

(Trecho a partir dos 19:40)

Tributação do lucro dos PJ’s

Fique claro que esta proposta não está sequer formalizada em projeto de lei ou coisa do tipo.

Como bem disse o deputado, é o seu entendimento sobre o que “é melhor para o Brasil”, mas ainda está em discussão interna.

Eu estou compartilhando antecipadamente por ser de extrema relevância para profissionais PJ.

Originalmente a Reforma Tributária previa uma taxação de dividendos em 20%. Micro empresas pagariam somente sobre o lucro que ultrapassasse R$ 20 mil.

Na versão 2.0, a isenção seria de até R$ 2,5 mil (dois mil e quinhentos reais), apenas.

Por sinal, é a mesma faixa de isenção do Imposto de Renda dos CLT’s e das pessoas físicas, igualmente.

Isto é, Sabino defende uma isenção menor, mas para todas as empresas – grandes e pequenas.

Então, empregados de carteira assinada, profissionais PJ, e acionistas de grandes corporações estariam isentos de impostos até R$ 2.500, independente da natureza de seus ganhos.

No vídeo acima (a partir dos 19:40), o deputado fala diretamente aos profissionais PJ explicando as motivações dessa mudança. Vale a pena assistir.

Contudo, deixou claro que tal medida só entrará no escopo do projeto caso seus colegas concordem. Pois ele se coloca apenas como um “ajuntador de ideias”.

É justo aumentar os impostos dos PJ?

Sabino já respondeu esta pergunta no vídeo, mas eu vou adicionar aqui a minha opinião pessoal.

Fazendo uma avaliação imparcial, é difícil alegar qualquer injustiça. Além disso, os CLT’s continuam com uma faixa máxima de 27,5%, maior que a dos PJ’s.

De qualquer forma, os empregadores e consultorias não devem perder o interesse em contratar como PJ. Afinal, a antiga promessa de desoneração da folha de pagamento nem sequer está na pauta das reformas atuais.

Porém nós, profissionais, precisaríamos refazer as contas e a negociação. A imagem abaixo compara a tributação atual com a proposta do relator, lembrando que nem no papel ela está:

Reforma Tributária - Efeitos para profissionais PJ.

A nossa calculadora CLT x PJ ajuda profissionais a comparar vários cenários existentes hoje. Assim que qualquer reforma for implementada, nós enviaremos a nova versão por email.

Basta baixar aqui e entrar na lista. 😉

Atualização 18/07:

Posteriormente, em entrevista ao Estadão publicada no domingo, Sabino comentou estar fazendo cálculos para uma tabela progressiva deste tributo, cuja primeira faixa seria de isenção até R$ 2.500.

Usando o exemplo do próprio deputado, ficaria isento quem ganha lucros de até R$ 2,5 mil. Até 5 mil pagaria 5%. Até 10 mil pagaria 10% (sic), e assim por diante.

Várias possibilidades na mesa e diálogo intenso.

Atualização 30/07:

Depois de algumas conversas reservadas, o próprio relator disse tratar-se de um “ponto pacificado”, de forma que agora se discute a abolição de qualquer taxação de lucros e dividendos para empresas do Simples Nacional.

O Brasil anda acelerado ultimamente, não?

O que achou?

3 votos. Média: 4,67.

O que é Pró Labore e Distribuição de Lucros

É comum confundir pró-labore com distribuição de lucros, apesar de serem duas classificações contábeis bem diferentes. Vamos entender cada uma delas e ver como tirar proveito!

Os profissionais PJ que seguem as orientações deste blog Contrato PJ sabem muito bem da importância do pró-labore para reduzir os impostos cobrados pelo Simples Nacional.

Porém, o pró-labore tem mais relevância do que isso na vida empresarial.

Dinheiro - Pró Labore e Distribuição de Lucros

O que é Pró Labore

Pró Labore pode ser chamado de “salário do dono/sócio da empresa”, e consta na folha de pagamento junto aos demais funcionários, se houver.

Ele também tem impacto no Imposto de Renda Pessoa Física do cidadão que o recebe, pois precisa obrigatoriamente ser declarado e acarreta impostos a pagar.

Distribuição de Lucros e Dividendos

Em qualquer empresa, depois de receber dos clientes, pagar fornecedores, salários, impostos e pró-labores, tudo o que restou na conta bancária chama-se Lucro.

Conforme as leis atuais (Junho/2021), não* há nenhuma tributação sobre lucros, e eles podem ser transferidos para a conta dos donos da empresa livremente, sem pagar imposto algum.

*A Reforma Tributária pode mudar esses termos. E estamos monitorando as discussões em Brasília. A ver…

Porém, essa transferência de lucros também deve ser declarada no Imposto de Renda Pessoa Física, apesar de não acarretar nenhum imposto a pagar.

Assim, a Receita Federal vai saber de onde vem o seu dinheiro e patrimônio, sem precisar lhe colocar na malha-fina desnecessariamente.

(O termo “dividendo” tem uma especificidade quando falamos de sociedades anônimas, mas pode ser entendido com o mesmo significado de “lucro” em empresas menores.)

Pró Labore vs. Lucro

No final das contas, o pró-labore pode ser visto como um meio de organização – uma divisa entre a vida pessoal e empresarial. E este é um uso super coerente.

Contudo, os empresários não vivem só de pró-labore. Eles têm direito a receber os lucros de seus negócios também.

Tanto dos negócios onde trabalham o dia inteiro, quanto das empresas onde só têm participação acionária – sejam elas pequenas ou gigantes com ações listadas em bolsas de valores.

Afinal, uma bolsa de valores nada mais é do que um veículo para o cidadão comum tornar-se sócio de grandes empresas e, proporcionalmente, ganhar parte dos lucros.

Já no caso dos profissionais PJ, a divisão é bastante simples e não tem o que discutir.

Sempre orientamos retirar 28% do faturamento como pró-labore. E o restante como distribuição de lucros.

Este é o balanceamento ideal e garante a melhor otimização dos impostos possível – nas pessoas física e jurídica do profissional PJ.

O que achou?

5 votos. Média: 5,00.

O que é Pró Labore?

Pró Labore: Expressão da língua latina que significa “pelo trabalho”.

Pode ser chamado de “salário do dono ou sócio de uma empresa”.

O pró-labore está para os donos da empresa assim como o salário está para os funcionários CLT

É uma classificação contábil bem definida e deve constar na folha de pagamentos das empresas.

Já na declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), rendimentos a título de pró-labore devem ser obrigatoriamente declarados na ficha “Rendimentos Tributáveis recebidos de PJ“.

Para as pessoas físicas, o recebimento de pró-labore está sujeito exatamente à mesma tributação que os salários de um CLT.

Não confundir com distribuição de lucros e dividendos.

O que achou?

Reforma Tributária 2021 (Maio) – Fatias, consumo e renda.

Mal acabando Abril, o mês de Maio iniciou com o ressurgimento repentino de notícias sobre a Reforma Tributária, o que obviamente chamou a nossa atenção.

Google Alerts para monitorar a Reforma Tributária.

Após duas semanas monitorando todo o fluxo de notícias na mídia, vou compartilhar a minha leitura geral sobre onde estamos, para onde vamos, e como os profissionais PJ devem encarar o assunto.

Reforma Tributária - Maio de 2021 - Fatias, consumo e renda.

Uma das principais discussões entre parlamentares é quanto à tática: fazer uma reforma “fatiada” ou toda “de uma vez“?

Provavelmente, a Reforma Tributária será dividida em quatro ou cinco projetos de lei diferentes, alguns em paralelo e outros em sequência.

Independente de quantas “fatias” haja, é importante entender que há apenas duas caixas onde cada fatia pode cair:

  1. Consumo; ou
  2. Renda

Consumo – tranquilo para os PJ’s

O item #1 (Consumo) é o que está em voga no momento, e considerado prioritário por praticamente todos os agentes do Governo e sociedade.

As palavras-chave da tributação do consumo são: ICMS, PIS, COFINS, ISS e IPI. E a principal proposta é aboli-los para criar um só imposto, a fim de simplificar a arrecadação.

Por mais que os profissionais PJ paguem alguns desses tributos, nada deve mudar – nem no valor nem no procedimento – pois nós pagamos apenas a cobrança do Simples Nacional. E o próprio Governo redistribui o dinheiro para os departamentos corretos.

Vale lembrar que tanto o Ministro Paulo Guedes quanto o Presidente Jair Bolsonaro têm dado declarações públicas afirmando que não tolerarão aumento de impostos. E que o objetivo da Reforma Tributária é racionalizar/simplificar a tributação.

Os presidentes da Câmara e do Senado já se comprometeram em votar essa pauta ainda em 2021, apesar de ser uma meta bem ousada.

Até aqui, nada muda para profissionais PJ!

Renda

Enquanto as primeiras “fatias” da Reforma Tributária tratam de simplificar os impostos sobre o consumo, as subsequentes envolvem a tributação de renda e dividendos.

Quando isso vier à tona, provavelmente os profissionais PJ precisarão refazer suas contas.

A grande questão é: de quanto será um eventual novo imposto? Até agora, nenhum número foi apresentado…

Tão logo essa informação exista, eu a publicarei aqui junto a todas as orientações necessárias.

Dessa forma você poderá reavaliar tranquilamente o regime PJ para o seu futuro.

Porém, dificilmente chegaremos nessa etapa antes da próxima eleição, creio eu.

Mudanças dessa natureza envolvem todos os setores da Economia, despertam especial interesse na sociedade, e portanto dão margem a toda sorte de demagogia, gritaria e chantagem.

Muitas águas ainda vão rolar antes de uma efetiva e abrangente Reforma no Brasil, mas ela é inevitável.

Dentre tudo o que tenho lido diariamente, destaca-se o manifesto da JovemPan: O Brasil não pode + esperar. Vale conferir o vídeo de um minuto e meio.

https://jovempan.com.br/o-brasil-nao-pode-mais-esperar

O que achou?

2 votos. Média: 5,00.

Carnê Leão – O que é e como economizar?

O Carnê Leão é simplesmente um “boleto” que alguns trabalhadores imprimem e pagam ao Governo por conta própria, para recolher seus impostos devidos.

Na prática, trata-se de um aplicativo da Receita Federal que funciona como “livro-caixa” do profissional liberal, onde ele lança suas receitas e despesas, apurando o lucro e o valor de imposto a pagar.

Continue lendo e saiba tudo…

Carnê Leão - Contrato PJ

Quem é obrigado a pagar o Carnê Leão?

Entenda: Os empregados de carteira assinada (CLT) tem seu imposto de renda descontado do salário antes mesmo de recebê-lo. Os empresários e profissionais PJ pagam seus impostos conforme as regras para pessoas jurídicas.

O Carnê Leão é uma solução para advogados, médicos, corretores, dentistas, proprietários de imóveis de aluguel e outros profissionais liberais.

Via de regra, ele acaba sendo obrigatório para as pessoas físicas que recebem de outras pessoas físicas ou do exterior.

Quando pagar

O Imposto de Renda por este meio deve ser pago até o final do mês seguinte do mês de referência.

Isto significa que, por exemplo, o imposto sobre os valores recebidos em Maio devem ser pagos até o último dia útil de Junho.

Esse “carnê” é um programa complementar à Declaração Anual de Imposto de Renda (IRPF). Então, os profissionais liberais que o pagam precisam sim declarar seu IRPF.

A boa notícia é que as informações já estarão organizadas no aplicativo do Carnê Leão, caso você tenha feito tudo certinho durante o ano.

Descontos no IR para profissionais liberais

Quem conhece bem a Lei, ou tem um contador muito bom, consegue otimizar seus impostos, dentro da legalidade.

Você sabia que nenhum médico é obrigado a usar somente Carnê Leão, e nem faturar tudo num CNPJ? É possível usar as duas formas simultaneamente!

E é exatamente aí que surge oportunidades para otimizar os seus impostos, legalmente. Mas é preciso um acompanhamento atencioso todo mês. E não é todo contador que olha isso…

Entre em contato e saiba mais.

O que achou?

3 votos. Média: 5,00.

Desconto no Imposto de Renda

Estamos em Dezembro, e nessa época várias companhias de previdência privada nos bombardeiam com anúncios, lives e posts ofertando seus planos.

Muito justo! Afinal, o Governo concede benefícios fiscais (isto é, desconto no Imposto de Renda) a pessoas físicas que investem em tal modalidade.

E Dezembro é o último mês para garantir a pechincha na declaração de IR do próximo ano.

Isso vale tanto para CLT’s como para PJ’s! Então, vamos entender um pouco como funciona.

Para manter a simplicidade, não vou entrar nos detalhes técnicos e financeiros, coisa bem explicada neste artigo.

A Lei isenta* o trabalhador de pagar Imposto de Renda sobre os valores que ele investir em previdências privadas do tipo PGBL.

*Importante lembrar que essa isenção é limitada a 12% da renda tributável do ano.

Renda Tributável: Para PJ’s, é o pró-labore declarado. Para CLT’s, isso é simplesmente o salário bruto, sem contar 13º nem PLR.

Quer dizer: se você ganhou R$ 100 mil durante todo o ano (soma dos salários), você pode investir até R$ 12 mil num plano de previdência e não pagar IR sobre esses valores.

Caso faça isso, em vez de pagar imposto de renda sobre R$ 100 mil, pagará apenas sobre R$ 88 mil.

Neste caso, a sua restituição de Imposto de Renda no ano seguinte vai aumentar em cerca de três mil reais!

Detalhes Importantes

  • O plano de previdência precisa ser necessariamente do tipo PGBL;
  • Existem várias “configurações” de planos de previdência privada. A melhor delas é você ficar pelo menos 10 anos com a “tabela regressiva”.
  • Na verdade, você só está deixando de pagar o IR hoje para pagar quando sacar o investimento, podendo pagar bem menos.

Como disso no início, estou me atendo à parte pragmática da coisa.

Se você deseja entender em detalhes essas regras, vou sugerir com converse com seu RH ou a empresa que fornece planos de previdência.

Planilha para calcular o desconto no Imposto de Renda

A matemática por trás disso é um pouco complexa. Por isso, eu fiz uma planilha no bom e velho Excel para facilitar…

O objetivo da planilha é te mostrar qual valor você ainda pode investir a troco de desconto no IR, e qual o desconto efetivo já conquistado. Faça o download clicando no ícone de Excel acima.

Onde investir em Previdência Privada?

Além do RH da sua empresa, caso seja CLT, você pode procurar planos de previdência privada em bancos, corretoras e seguradoras em geral.

Existem instituições com histórico de apresentar bons produtos de previdência e investimentos em geral, pelo menos ao meu ver.

O contrário também é verdadeiro.

Eu recomendo que você inicie sua busca nas instituições listadas abaixo:

  • Banco Inter
  • Vitreo
  • Mirae Asset
  • Mapfre Seguros
  • Icatu Seguros

Recomendo ainda que mantenha distância dos bancões que fazem comerciais no horário nobre da TV.

Bom, era isso! Espero que as informações acima lhe ajudem; e tenha um ótimo Natal, fim de ano e férias!

O que achou?

3 votos. Média: 5,00.

Profissional PJ paga Imposto de Renda?

Profissionais empregados no regime PJ precisam pagar o Imposto de Renda? Você sabe qual a diferença entre o IR da CLT e da PJ? Isso é muito simples. Entenda agora!

Assista no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=MaITEHeNdtw

A resposta é Sim! O profissional PJ precisa sim pagar Imposto de Renda, mas ele paga bem menos imposto do que um CLT.

Se você já leu outros artigos aqui no blog, deve saber que nós recomendamos uma certa “configuração ideal” de empresa para profissionais PJ.

Nessa configuração, o seu CNPJ estaria enquadrado no Simples Nacional, e você declararia um pró labore, todo mês, de 28 a 30% do seu salário.

Entenda o Imposto de Renda do PJ

Diante do Governo, você é um empresário, e o seu salário é o faturamento da sua empresa. Você formaliza que esses 28% do faturamento são o “salário do dono da empresa”.

Fazendo assim, você paga Imposto de Renda somente sobre essa parcela, e não sobre 100% do salário, como seria na CLT.

O restante é classificado como “retirada de lucro”, e sobre isso não incide absolutamente nenhum imposto.

Sim, isso é totalmente legal!

Na verdade, você não é obrigado a retirar pró labore nenhum se não quiser. Mas é bom fazer isso para reduzir ainda mais o imposto cobrado da pessoa jurídica.

IRPF e IRPJ

Cuidado para não confundir.

O Imposto de Renda que nós, cidadãos, declaramos entre Março e Abril, e depois recebemos restituição (ou não), é o IRPF – Imposto de Renda Pessoa Física.

As empresas de maior porte também pagam Imposto de Renda, mas este é outro tributo, com outras regras – o IRPJ – Imposto de Renda Pessoa Jurídica.

No Simples Nacional não existe IRPJ. Você só paga um boleto mensal correspondente a uma porcentagem do seu faturamento.

E, caso não esteja trabalhando e não fature nada, obviamente não precisa pagar nada.

Então, o profissional PJ só precisa se preocupar com o IR da sua pessoa física, que por sinal é muito menor do que se ele fosse CLT.

Calculadora CLT x PJ

Além do Imposto de Renda, o PJ tem alguns outros impostos e encargos. Mas no geral, toda a carga tributária do regime PJ é menor do que na CLT.

Isso é facilmente demonstrado através da nossa Calculadora CLT x PJ, a qual você pode baixar gratuitamente agora pelo link abaixo:

https://www.contratopj.com.br /calculadora -clt -pj -fator -r/

Através da calculadora, você consegue comparar cenários e saber para onde vai cada centavo do seu salário, na CLT e na PJ.

Por favor, compartilhe suas dúvidas e feedback nos comentários. Eu leio e respondo todos! 😉

O que achou?

2 votos. Média: 5,00.

INSS 2020, ou Feliz Ano Novo

Muito se diz que, na prática, o ano só inicia após o Carnaval. E todo início de ano vem repleto de reajustes: tabela do Imposto de Renda, salário mínimo, INSS, inflação, aluguéis, etc.

Em 2020 foi implementada uma reformulação da tabela do INSS, mas curiosamente, ela passa a valer apenas a partir de Março, mês que inicia dias após o fim do Carnaval.

Essa mudança é um dos prelúdios da Reforma da Previdência.

Nas novas regras, quem ganha menos paga uma “fatia” um pouco menor, e quem ganha mais paga uma “fatia” levemente maior. Coerente…

Como fica o INSS de quem é CLT

Até fevereiro de 2020, todo empregado pagava 8%, 9% ou 11% do seu salário bruto para o INSS, dependendo de quanto ganhava.

Então, por exemplo, quem ganhava R$ 1.800 pagava 8%. Ou seja, R$ 144.

Já quem ganhava R$ 1.900 contribuía com 9%, que é igual a R$ 171.

A partir de março de 2020, a tabela passa a ser progressiva e ganha uma nova faixa: se você é CLT, pode contribuir com 7,5%, 9%, 12% ou 14%.

Por exemplo, quem ganha até R$ 1045,00 está na primeira faixa, e vai contribuir com 7,5% do salário.

Já quem ganha cem reais a mais (R$ 1145) entra na segunda faixa: 9%.

Mas só vai pagar 9% sobre esses cem reais de diferença. Os primeiros R$ 1045 vão gerar uma contribuição de 7,5%.

É o mesmo conceito do Imposto de Renda: tabela progressiva, o que acaba sendo mais justo com o trabalhador.

Como fica o INSS de quem é PJ

Atualmente, os profissionais PJ com empresa no Simples Nacional, tal como orientamos, declaram 28% do seu salário como sendo pró-labore. E o restante, retirada de lucro.

Sobre aquele valor (pró-labore) pagam alíquota única de 11% como contribuição ao INSS.

(No final das contas, cerca de 3% do salário do PJ vai para o INSS.)

Os 11% dizem respeito ao INSS Patronal do Simples Nacional, ou Plano Simplificado da Previdência Social, como você preferir chamar.

As novas regras publicadas pelo Governo em 2020 nada falam a respeito dessa modalidade do INSS.

Portanto, entendemos que para os PJ’s, continua tudo do mesmo jeito.

Qualquer novidade avisaremos por email. Para receber os alertas do Contrato PJ, basta se cadastrar nessa página.

Ou baixar a nossa Calculadora CLTxPJ, que já está atualizada conforme a nova tabela do INSS!

O que achou?

6 votos. Média: 4,33.

Fontes:

https://www.inss.gov.br/ servicos -do -inss /calculo -da -guia -da -previdencia -social -gps /tabela -de -contribuicao -mensal

https://www.inss.gov.br/ servicos -do -inss /calculo -da -guia -da -previdencia -social -gps /plano -simplificado -de -previdencia -social

https://www.contabeis.com.br/ noticias /41825 /tabela -inss -2020 -e -divulgada -confira -os -novos -valores -das -aliquotas

https:// www.dicionariofinanceiro .com /desconto -inss

https:// www.contabeis.com.br /noticias /41767 /inss -veja -quanto -sera -descontado -do -seu -salario -em -2020

http:// www.previdencia.gov.br /2020 /01 /portaria -oficializa -reajuste -de -448 -para -beneficios -acima -do -minimo -em -2020